sábado, 12 de maio de 2018

A MEMÓRIA CELULAR E A DEFESA AUTOMÁTICA


Para algumas pessoas, recordar é o próprio trauma em si.

Esquecer as memórias então uma defesa da agonia do passado duro vivenciado.

Estabelece-se então uma espécie de implante tão profundo no subconsciente que apenas a menção da intenção da lembrança faz com que as células devidamente programadas reajam como uma forma de proteger o organismo vivo de qualquer dor ou padecimento que ditas lembranças possam acarrear de volta à consciência.

Todavia, tal programa de esquecimento ou defesa, começa a agir como se vida própria tivesse, ampliando a “proteção” antes restrita a um fato apenas, a praticamente tudo o que se possa deduzir como prejudicial e assim, numa cadeia sucessiva, como uma espécie de guardião, as memórias começam a ficar seletivas e a vontade perde sua força mantendo a existência em um estado praticamente vegetativo de experimentos e vivências inócuas e anestesiadas.

A consciência, em espasmos de liberdade, grita ao indivíduo para que desperte desse entorpecimento contínuo, o qual migra de existência para existência, até que, assolada pela inquietude interna, a própria pessoa começa a buscar novamente os motivos pelos quais não se lembra.

Então, surge em cena um novo guardião. O temor!

Este, solapa a ação da consciência anestesiando com um sofrimento sonambúlico a condição primordial da pessoa, que deixa de ser feliz e inicia uma busca inglória pela mesma felicidade que se autocerceia com receio de que ao encontrá-la, irá perdê-la em função direta de sua efemeridade. Assim o drama se alimenta dessa carga energética expelida pelas angustiosas expressões e condutas radicais na forma de ectoplasma livre, solto pelo ar.

Portanto, recordar-se, reaver suas memórias é a chave exata e matemática para sanar as questões obscuras de nossa mente, as quais preencherão as lacunas ocultas instaladas por essa forma de poupar o ser humano de qualquer lembrança traumática. Se a busca se dá, a pessoa está pronta a recuperar suas informações no tempo necessário que levar para corajosamente derrubar as paredes que um dia serviram de proteção.

Por isso que a presença de um profissional, devidamente habilitado em Terapia de Vidas Passadas, em Regressão, Resgate, é imprescindível para o suporte emocional afim de que o buscador de si consiga se sentir seguro o suficiente a ordenar, organizar o tabuleiro das peças desse intrincado quebra-cabeças que são suas próprias experiências vividas apaixonadamente em outras épocas e que hoje ecoam dentro de seu íntimo como a chave libertadora das memórias vividas outrora; desinstalando, desabilitando gradativamente cada registro amargo, denso, com a purificação dos conceitos formais também adquiridos como herança temporal.

Dessa forma, a reprogramação, ou ainda, a formatação do próprio Registro dentro do Arquivo da memória celular, passa a ser convertido em novos dados inseridos pela Essência libertada com as virtudes do Ser, da Consciência livre de qualquer peso ou carga de emoções atreladas à punições, castigos, culpas, perigos, traumas, fobias, limitações, saudades, paixões, prazeres, confusões, equívocos comuns no cenário existêncial de toda humanidade que se permite vivenciar a trajetória terrena e submeter-se às intempéries de toda sorte sensorial que o corpo físico, emocional e mental possa reter como registro da própria magnificência da existência em si.

Ao esquecermos dessa fantástica e incrível dádiva oportunizada pelo concurso da carne e cairmos na fossa da faixa vibracional da densidade turva que oportuniza a aproximação de interessados em nossa energia vital, deixamos de lado nossa luz sublime para vivermos de recorrência em recorrência cada vez mais densos e obstruídos pela força esmagadora da inconsciência manipulada por nossa própria autorização em função de receios e agregados oportunistas das diversas escalas dimensionais e hiperfísicas. A angústia abre espaço à lágrimas que, para manter a defesa do desconhecido (já vivido) acrescenta de maneira falsa, mas exponencialmente sensorial uma dor absurda e inverídica a ponto de desligar o indivíduo da ânsia de buscar resolver-se, gerando, toda vez, conflito e confusão.

A retomada do estado de liberdade se dá com a inquietude ou até mesmo com o incômodo que nos impulsiona a alcançar a informação ou o conhecimento preciso para colocarmos em ação o mecanismo da nossa própria libertação, ainda que mantendo a existência paradoxalmente simultânea em um ambiente planetário totalmente contrário à liberdade rumo à nossa individuação.

Eis o segredo: romper barreiras mantendo o teatro terreno.

Por afinidade vibracional vamos nos encontrando um a um, resgatando-nos aos poucos, mesmo que a pressa urja dentro de nós. 

Saibamos esperar, mas em constância para não nos atropelar revelando-nos antes do tempo planejado.


segunda-feira, 7 de maio de 2018

QUANDO PENSAR EM DESISTIR


QUANDO PENSAR EM DESISTIR, LEIA ISTO…

Salve, gente bacana.

Muitas vezes caminhando pela internete a gente acaba encontrando algumas joias raras em matéria de texto que nos estimula.

Ana Paula Ramos foi a autora deste material que vamos ajudar a divulgar aqui em nosso espaço.
Boa leitura e Não Desista!

"Quando você pensar em desistir, olhe para o lado que realmente importa, o lado de dentro, e então se pergunte qual é a sua razão maior, o seu porquê, o motivo que te fará mais forte e mais capaz do que qualquer porém. Do que qualquer pesar. E vai.
Quando você pensar em desistir por causa deles, olhe para eles, e se pergunte quando foi que você deixou de ser importante para si mesmo, quando foi que a imagem refletida do outro lado do espelho deixou de ser a sua, quando foi que opiniões, críticas e julgamentos de quem nunca realmente parou para te olhar de verdade invadiram a sua vida e domaram as suas escolhas dessa maneira. E então deixe ir o peso do outro. Foque no que te fortalece. Mire no que te faz leve. E vai.

Quando você pensar em desistir por causa das circunstâncias, se pergunte qual é o propósito de tudo, da onde vem o aprendizado, o grande legado, o motivo que te fará agradecer mesmo quando a tristeza vier. E então se concentre no lado bom de todas as coisas, na sabedoria do universo, na certeza de que amanhã é sempre outro dia e que não há sofrimento ou dificuldade que dure para sempre. E vai.
Quando você pensar em desistir por causa de si mesmo, se pergunte quem é você e qual é a sua missão nesse mundo. E então avalie se o desistir tem a ver com ser forte, sábio e consciente (porque às vezes desistir exige mesmo uma coragem imensa) ou se é só uma maneira covarde de fugir da batalha antes mesmo da luta. E se for por falta de tentativa, e se for por medos e receios de não ser capaz, encontre dentro de si mesmo a força que te move a levantar da cama todos os dias. E vai.
Quando você pensar em desistir por causa do tempo, se pergunte o que realmente importa na vida: a direção ou a velocidade. E então comece a olhar para todas as coisas com a curiosidade e a aventura da criança e a sabedoria e a experiência do idoso. Do tempo passado, pegue o que te faz melhor, inspire-se no que te faz sorrir, orgulhe-se das cicatrizes, colecione histórias, mas siga em frente. Do presente nasce o recomeço. E o tempo nos ensina que nunca é tarde demais. Agarre-se na infinidade do agora, seja presente de corpo, alma e coração. Faça sempre o seu melhor. Seja sempre o seu melhor. Não dê demasiada importância a um futuro que você nem sabe se vai chegar. Vista o seu melhor sorriso, confie na força da sua intuição. Arregace as mangas. Tire o sapato. Deixe o vento bater no rosto. Deixe despentear.
E vai.
Quando você pensar em desistir, quando o barco virar e o mar estiver revolto demais, quando a única alternativa que restar de tudo isso for lutar ou morrer, agarre-se na sua fé, acredite no seu milagre, pule nas águas. E nade.
Quando você pensar em desistir, justamente porque não sabe nadar, olhe para o mundo com gana de herói, com olhos de quem desafia o impossível e faz valer a pena cada segundo da vida.
E pula na água.
Pula na água.
Quando a gente não sabe o que fazer, a gente aprende."

Fonte: https://osegredo.com.br/quando-pensar-em-desitir-leia-isto/

sábado, 3 de fevereiro de 2018

AS PRÁTICAS E OS HORÁRIOS ADEQUADOS

Salve, Gente Bacana!!
Estamos divulgando novo vídeo com novo tema e muito curioso desta vez.
Por que motivo sugere-se que as práticas devam ser realizadas sempre no mesmo horário, lugar e dia?
Aqui uma explanação breve e sucinta das razões.
Felicidades e um abraço fraterno.




terça-feira, 23 de janeiro de 2018

A DOR E O SOFRIMENTO - Retorno

Salve, gente bacana!
Disponibilizamos novo material depois de um bom tempo de "licença prêmio".
Em breve retomaremos as atividades sempre procurando informar e conscientizar.
Abraços fraternos.


domingo, 14 de janeiro de 2018

VÍCIOS E A FALANGE

Salve, gente bacana!

Alguns assuntos, alguns temas muitas vezes queremos passar apenas os olhos, deixar o famoso "curti", e seguir adiante.
Todavia, para quem vive de perto cenários complexos, duros, amargos, um pouco de informação sempre ajuda, pois a pessoa sempre em seu íntimo se indaga: "Por que isso aconteceu?" E, "Como resolvo isso?"

Consciência Livre

Uma pessoa que vivenciou a forte experiência do vício, por exemplo, (em especial o vício químico) passa a ser conectada por faixas de afinidade vibracionais, a uma egrégora (ou falange) de forças densas as quais têm em conta a sua própria necessidade de se alimentar desse consumo danoso e para isso, vão forçar o recuperado a voltar ao uso. Por esse (e claro, outros fatores emocionais, psicológicos e de limpeza química) a pessoa padece horrores para reafirmar seus propósitos em manter-se limpa. E a família que acompanha, se esforça magnanimamente na mesma intensidade.

Consciência Livre

Nesse sentido, caso essa falange não consiga, não medem escrúpulos em buscar a próxima pessoa que possa ter fraqueza ou a mesma afinidade vibracional no seio da família para viciá-la e fornecer esse alimento de energia deletéria.

Um descendente gerado pelo sangue de usuário de substâncias entorpecentes para a ter essa mesma assinatura com grandes possibilidades de abertura ao vício também. Pelo assédio.
Mas existem formas de se prevenir esse risco.

Consciência Livre

Para se evitar quedas nesse caminho, o processo do jejum (purificação) de 21 dias seguidos com mantença dos 7 primeiros sem a ingesta de nenhum tipo de alimento sólido ou líquido; depois com 7 dias de líquidos e sucos diluídos e 7 dias com sucos integrais e parcas doses de caldos auxiliam na desintoxicação e quebra da faixa vibratória.
A técnica de tratamento de bioenergética associada à geoterapia (argila, barro) com placas de argila por sobre o corpo, dieta específica para cada cliente e ingesta de chás adequados a erradicar verminoses que se nutrem da química no sangue quebram eficientemente esse risco de viciar-se (ou recaída).

Consciência Livre

A prática do jejum de 21 dias é orientada a maiores de 21 anos de idade, cuja compleição física e mental já é madura o suficiente para entender a seriedade do trabalho e as respectivas fases de transições intensas pelas quais o praticante se submete, tal como uma verdadeira iniciação interna. Um encontro íntimo.

Consciência Livre

Já a terapia da bioenergética pode ser aplicada desde a tenra idade para liberar os filhos amados da sombra nefasta do laço do vício, sempre atento à escolha de profissionais competentes, de boas referências e não sensacionalistas.

Consciência Livre

Os progenitores que optarem pela mudança de frequência vibracional voluntária (sempre mais fácil quando assim se sucede) podem objetivamente, focados elevarem sua prole a uma oitava superior que atenua em muito essa probabilidade marcante de vir a se tornar também uma usuária no futuro.

Esse cuidado é algo concreto e racional, independentemente de crenças ou profissão de fé, por isso é que se sugere e indica práticas táteis e tangíveis que resgatam e purificam a Essência em seu estado puro.

Mas ainda assim, a escolha de se livrar do assédio é subjetiva.








Um Toque de Sabedoria

Um Toque de Sabedoria
Acesse mais material no G+